segunda-feira, 26 de julho de 2010

Banco de escola


A de Alceu Amoroso, Tristão, feliz
B de Bento Teixeira, o primeiro que se diz
C de Castro Alves, pelos mares navegados
D de Drummond, amor antigo, para sempre
E de Euclides da Cunha e os sertões da gente
F de Ferreira Gullar, voz de palco e revista
G de Guimarães, uma rosa imprevista
H de Haroldo de Campos, pensamento novo e amplo
I de Ignácio de Loyola, em sua censura Zero
J de Alencar, Cinco Minutos para começar
K de volta para encontrar
L de Lygia Fagundes e todas as suas figuras
M de Machado de Assis e seus olhos – Capituras
N de Nélida Piñon, aqui e na Espanha
O de Olavo Bilac, ora dirás por quê
P de Pedro Bandeira, o kara
Q de Quintana, palavras poucas e sanas
R de Rachel de Queiroz, mais sertão em boa voz
S de Sílvio Romero em coleções de vida
T de Tobias Barreto, filósofo, poeta, crítico, jurista
U de Ubaldo, João! Imagine se não
V de Vinícius de muitas e muitos Moraes
W de William Shakespeare, aqui não há questão
X de Xavier na simplicidade dos Chicos
Y do fim do nome de quem quer ser
Z de Zélia Gattai também por Jorge, amado demais


(Do meu livro, "A Lavra".)


2 comentários:

  1. Deve ser fogo conseguir uma vaga nessa escola de elite... Vou pegar o material do meu amigo Will(iam) emprestado, pelo menos. Pra ver se aprendo mais...

    ResponderExcluir

Diga, então...