sexta-feira, 10 de julho de 2015

De pedra e flor


carrego flores
mas não carrego flores 
somente.

vês o colorido em minha lapela
e não pões reparo nos bolsos de trás.
é lá que guardo todo cascalho
que me esfolia as vontades no caminho.

não é a flor, mas o grão de areia.
não é a flor, mas o seixo.
não é a flor, mas a pedra de cantaria.
isso é o que me desafia a ser quem sou.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Tempos de madrugar

Portinari

hoje eu tenho medo dos anos.
dos nossos primeiros anos.
daqueles que ainda estão fora da lei.
daqueles que continuam no ponto cego
dos olhos turvados da educação.

acordem, crianças!
o recrutamento começará mais cedo.

De que se veste o amor - 2