quarta-feira, 23 de junho de 2010

Amendoim cozido agora é patrimônio de Sergipe


Amendoim é um objeto cheio de segredos. Pra começo de conversa, a gente nunca sabe direito como classificar o danado. Sim, ele é uma planta que tem legume - você deve ter lembrado dos feijões e da ervilha, né? Pois é. Uma caixinha curiosa que, ao contrário das outras, nasce embaixo da terra e não se abre, por livre vontade, pra liberar suas sementes. Cheio de charme. 

Se você quiser conhecê-lo melhor, pode começar cultivando a planta. Espere a flor nascer e se curvar e se enterrar para depois gerar o amendoim. Depois você vai colher e cozinhar as vagens, que guardam os grãos. A experiência vale ainda mais se você tem por perto uma criança sem ideia sobre a origem dessa delícia. Pronto pra cozinhar, posso até dar a receita, que, em Sergipe, é especial: água, sal e limão numa panela, simples até para quem desconhece o caminho do fogão. Mas acho melhor mesmo indicar o caminho do nosso Mercado Thales Ferraz, que reúne muitas outras curiosidades.

A vantagem de ir ao Thales Ferraz para comprar amendoim cozido - cozido assim e consumido do jeito que é, não se encontra em outro canto deste país - está no pacote cultural que você ganha de brinde (se quiser leia mais). Lá você tem também a possibilidade de escolher, entre os vendedores, as vagens mais ou menos secas, que guardam grãos mais ou menos molhadinhos, conforme seu gosto. Desde menina adivinho seu conteúdo só de olhar. Meu pai me flagrava separando, um a um, aqueles de que mais gosto - os que têm o tecido interno da casca na cor marrom escura (visão de raio X) -, pois o grão estará durinho e menos salgado. Depois é só reunir os amigos e ir comendo sem conseguir parar, ou até encontrar juízo fora da desculpa de que o Arachis hypogaea é rico em proteína.

Nas praias sergipanas, é muito comum que as pessoas nos bares sejam abordadas com a oferta de um mundo de amendoins em um grande cesto. "Quantas latas?" - pergunta o vendedor depois de ter deixado umas três vagens bem escolhidas em sua mesa. A iguaria é, em grande parte das vezes, o que se aprecia antes de se fazer qualquer pedido de comida num barzinho. Se você estiver esperando alguém, faça contagens regressivas brincando de comê-la devagarinho, grão a grão, apostando no momento em que sua companhia vai chegar. Esse lado brinquedo do amendoim também se revelava em minha infância, quando fazíamos brincos simplesmente forçando um tantinho de uma das extremidades da casca. Agora era só colocar a pontinha da orelha ali dentro e começar o desfile com um acessório muito singular. Fazia também graciosos barquinhos, que flutuavam sobre a lâmina d'água do rio (banheira de minha irmã) Poxim. 

Vixe! Esses flagrantes de infância trazem a minha lembrança a preocupação de minha mãe com a limpeza do amendoim, sobretudo porque eu não conseguia ainda romper a vagem com a pressão dos dedos; então ia tudo à boca, casca e grãos e boa quantidade de sal que a casca retém. A propósito, alguém conhece quem, estando na rua, lave amendoim antes de comer? Talvez minha irmã mais velha.

Em tempos de festejos juninos, o amendoim cozido se espalha pelas ruas de Aracaju. Por gente de toda idade, ele é mais consumido do que o juízo de Santo Antônio o é pelas moças casadouras. Eu estou no meio dessa gente, que é capaz de comer mais amendoim do que milho no São João.

Anos depois de publicar este texto, eu o edito para registrar esta maravilha de notícia, vinda da Assembleia Legislativa de Sergipe, em agosto de 2013: Sancionada lei que torna amendoim cozido patrimônio sergipano.

Anavant, que o Mercado está aberto desde cedo!

Fotos: Aglacy Mary (Abaís, jan/2010)

9 comentários:

  1. Prefiro eu mesmo cozinhar os amendoins, principalmente se eu os colhi. Oh coisa boa.
    Dizem também ser afrodisíaco, a maioria que consome desmedidamente, neste intento, fica a noite inteira acordo, indo ao banheiro. RSRS

    ResponderExcluir
  2. Quando tiver uma cumbuquinha cheia, é só avisar, Almirante. Comerei não tão desmedidamente.

    ResponderExcluir
  3. Que maravilha é reler (sobre o teu link), a princípo acreditei que ja conhecia o texto, mas fui divagando na tua inspiração, primeiro tive um pressentimento que este tema desenvolveu-se ao vento das memórias, logo em seguida minha própria memória, trouxe meu pai à cena, ví quando ele, um retirado retirante, nascido em Vila de Sambaíba, pertinho de uma Lagoa Redonda, onde com um pouco mais de viagem, chega-se a Tobias Barreto, pois é, papai quase foi sergipo, talvez até seja, principalmente porque a água que se consumia lá, ou se consome até hoje, fora ou seja de Sergipe. Bem, não é este o caso, mesmo eu estando um pouco leso do licor que bebi até agora a pouco no forró, recordo quando meu pai, lá em São Paulo, comprava aqueles amendois secos, próprios para a torração, costume de lá, e cozinhava como se fossem os nossos amendoins verdes. Comia aquilo e achava horrível, até que finalmente vim morar na Bahia, onde descobri o verdadeiro sabor do amendoin cozido. Entendi porque meu velho queria tanto voltar. Tudo isto exposto, afirmo que o teu amendoin sergipano, é em verdade baiano, mesmo considerando as proximidades geográficas e quaisquer outras dúvidas que alguém levante sobre o assunto. Dúvidas estas que talvez não sejam esclarecidas, mas que precisam ser discutidas ao deguste de um bom balaio da iguaria em xeque, regada a beberiques de bom licor caseiro, de genipapo e outras infusões, que só existem por aqui.

    ResponderExcluir
  4. O amendoim cozido pelas próprias mãos é diferente mesmo, mas atualmente não tenho essa possibilidade. Vai o da feira e nesse período eles estão ótimos. Salve a colheita de junho!

    ResponderExcluir
  5. Já lhe disse, Almirante: brotado em Sergipe ou na Bahia, importante é termos o tal balaio cheio da gostosura. Aí a gente discute, come, discute, come, come, discute, come, come...

    ResponderExcluir
  6. Disse tudo, Adriana. Salve a colheita!

    ResponderExcluir
  7. Então acho que amendoim cozido é coisa do Nordeste inteiro. Sou pernambucana, criada no Rio de Janeiro, e só comia amendoim cozido em PE quando ia de férias, no Rio ninguém nem conhecia.

    ResponderExcluir
  8. Professora, na Paraíba - em Campina Grande com certeza - amendoim cozido é importado por quem tem amigos em outras terras nordestinas.

    ResponderExcluir
  9. quero saber quanto tempo cozinhar e quantidade de amendoin e sal sei que o amendoin deve ser novo e o restante?

    ResponderExcluir

Diga, então...