quinta-feira, 17 de junho de 2010

A renda irlandesa é sergipana

Estou sempre me reapaixonando pelas coisas do lugar onde nasci. Essa talvez seja uma de minhas práticas de 'sustentabilidade cultural'. Gosto da arte que se faz por aqui e divulgo o que me dá gosto.

No ano passado, redescobri a renda irlandesa e quero que o mundo a conheça.  Como atingir o mundo é muita pretensão, mirei alguns alvos. Aprendi: quem quer aparecer pendura melancia no pescoço. Mexi um pouquinho nessa ideia e este ano pendurei no pescoço o que eu queria exibir: um pequeno objeto de arte feito por divinas mãos de alguma pastora. De branca renda irlandesa é feito meu porta-celular. Tão leve como o caroço da melancia, ganhou apenas o pouco peso do conteúdo, ao qual já estava adaptada. 

Desconheço o nome da mestra rendeira que criou o risco definidor da peça e o da artesã que, movendo a agulha e o lacê sobre o debuxo, naquele conversê com tantas outras, produziu minha nova riqueza. Mas sei que é assim que se faz. Em grupo, todas seguindo o traço da mestra, de modo que se apropriam daquilo coletivamente. 

De tanto andar com o meu 'colarzinho' pra todo lado, descobri que muita gente desconhece o fato de a renda irlandesa ter o título de Patrimônio Cultural do Brasil, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 2008. O título foi concedido ao  modo de fazer renda irlandesa, e a referência é o artesanato produzido no município sergipano de Divina Pastora.

Esse modo de fazer renda irlandesa guarda saberes tradicionais que nos levam à Europa do século XVI ou XVII, quando missionárias italianas criaram esta e outras rendas de agulha, um conhecimento que chegou à Irlanda.  Com a vinda de missionárias irlandesas para a região sergipana do Vale do Cotinguiba, a arte se difundiu no lugar. As rendeiras de Divina Pastora são responsáveis pelo resgate desse bem que carrega a história da mulher brasileira desde o Brasil Colônia.
  
Para chegar mais perto desse tesouro, fale com a Associação para o Desenvolvimento da Renda Irlandesa de Divina Pastora - ASDEREN: (79) 3271-1306, 9929-4031 e 8122-0174.

Eu fico aqui, toda orgulhosa de ter uma peça tão fina andando comigo quase sempre. Viva Dona Sinhá e Dona Marocas e Dona Dina e Dona Alzira e Dona Ester e Dona Gilda e Dona Edileuza... Viva a mulher rendeira!

3 comentários:

  1. Boa noite Aglacy, também sou apaixonada pela renda. Estou aprendendo a fazer renda renascença e tenho interesse em conhecer esse cordão sedoso que é usado pra a renda irlandesa. Sabe me informar onde comprar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novidades de Maricota, sei que as rendeiras compram o lacê em Aracaju (provavelmente em armarinhos) e que a fábrica que o produz fica no Rio de Janeiro. Procure contato com as rendeiras através das informações desta página: http://artesol.org.br/rede/author/divina/
      Bom trabalho.

      Excluir
  2. Por favor onde posso comprar o cordão p renda irlandesa aqui em S.Paulo. obrigada

    ResponderExcluir

Diga, então...