sábado, 4 de setembro de 2010

Poema suado


Mãos de uma antiga e conhecida professora
Lavei um verso no tanque de Zefa
Estendi duas rimas no varal de Nita
A ferro estrofes passam pelas mãos de Dona Francina

Do borralho que faz o suor das gentes
Nasce a minha voz posta em papel
Um poema com alma
Modelado na palma da mão que trabalha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...