domingo, 29 de agosto de 2010

Validade: 24 horas


Da minha coleção de fotos nada artísticas, eu sei

Com as horas novas acendendo o dia
As amendoeiras amarelecem o pátio
E o telefone se inquieta
Esperando seu toque e minha vida

O tempo se arrasta por calçadas vazias
Que batem à minha porta
Bem-me-quer ou não virá
A hora é alta no céu azul de um talvez outono

Ao primeiro vislumbre de Vênus
Soam passos decisivos
Que apressados passam
Ao encontro do endereço certo

A noite é feita
Bem-me-quer ou não virá


Poema publicado originalmente no Overmundo, em janeiro/2009 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...