domingo, 29 de agosto de 2010

Outra vez, o tempo



Hoje o dia é de longas passadas
Sou turista de próprias paisagens

O roteiro leva à porta da casa
Onde os espinhos da rosa
Fizeram retalhos vermelhos
Da bola da menina (,) que voava

Os chãos seguem e percorrem
Todos os palcos
Que guardaram vozes rubras
Da adolescente escondida

À próxima parada
Uvas fermentam promessas
De uma vida que lateja
Anunciando novos estados de ser...

Em bordô
O tempo borda
No passaporte deflorado
Linhas que revelam um destino

Em trânsito

Publicado originalmente no Overmundo, em janeiro/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...