terça-feira, 16 de novembro de 2010

Amores na ponta da língua

Mas não tem nada não...

 
Vivia descobrindo erros de português. Era seu trabalho e sua mania. Escrita errada lhe provocava uma gastura que só passava depois da correção. Certa vez acabou fazendo um grande estabelecimento comercial da cidade enfrentar um prejuízo daqueles. É que ela encontrou uma xistice, erro gravíssimo, logo onde? Bem no meio do nome da loja, que estava para ser inaugurada. Como o proprietário da casa comercial, um senhor muito sério e conservador, não escreveu o nome daquele jeito por charme, achou melhor consertar tudo onde já estava posto o erro, inclusive o letreiro da fachada e o projeto de bolo da festa.
De outra vez, houve o caso com o rapaz do violão. Era daqueles de parar o trânsito. Não exatamente pelos belos dotes físicos que a natureza felizmente lhe deu, mas por arroubos românticos que lhe tomavam a ideia em plena travessia da Itaporanga com a Gonçalo, às 18h30 de uma sexta-feira. Ele ajoelhado, no meio do asfalto, declarando à moça das letras certas uma paixão arrebatadora; uns passantes morrendo de inveja; outros morrendo de rir; ela morrendo de vergonha; os motoristas provavelmente morrendo de raiva. Se bem que o buzinaço talvez tivesse como motivo apenas a emoção diante daquela rara cena urbana.
A notícia ruim é que o rapaz, que parecia viver constantemente em estado de graça, morava em outro estado da federação e deixaria a cidade em breve. Ela já suspirava por ele o suficiente para adoecer de saudade, e as cartas foram o santo remédio acertado pelos dois. Ele não tivera tempo de conhecer a gastura da moça. Ela conheceria agora seu jeito “livre” de escrever. As cartas dele vinham com a dose certa de cortejo, que se juntava à distância para garantir a sobrevivência da paixão. Eram linhas ilustradas com desenhos não ensaiados, feitos em esferográfica preta. O moço de fato era de muitas artes. Quem, além dele, comia uma maçã inteira, incluindo o talo e as sementes? Ela achava aquilo uma graça.
Lá pela sétima carta, começando a derrapar sobre a passarela das conjunções e cometendo o pecado da gula diante do cardápio dos acentos gráficos, o violonista desafinou. Segundo o ouvido letrado da gasturenta namorada. Aquela missiva ainda teve resposta, embora em dó menor, e o romance, tropeçando na língua, a portuguesa, rolou oitava abaixo.
Ele casou com uma médica, antiga namorada, de quem não conseguia traduzir uma letra de bilhete sequer, dada a pouca legibilidade de sua grafia. Se de cartas dependesse aquele relacionamento, dependeria também da farmácia da esquina da casa dele. Não era o caso. Os dois evoluíam bem, harmonizavam-se quanto à língua, a universal.
A moça de letras bem cuidadas sentiu saudade e, anos depois, até procurou notícia... Sem sucesso. Conheceu um juiz, casou e nunca mais foi surpreendida com um porquê mal redigido. Com o tempo, porém, acabou descobrindo no marido a total falta de condição de pontuar corretamente orações adjetivas. O desconforto que isso lhe provocou era nada, contudo, perto do que no início lhe pareceu simplesmente impressionante: o vetusto português que ele exibia nas pretorias onde atuava. A falta de graça e de inteligibilidade na escrita do magistrado foram fatais.
Às vezes a professora suspira de novo. Volta à Itaporanga com a Gonçalo e pensa em como poderia ter a língua mais solta. Imagina também quantas outras destinatárias tiveram as cartas do moço do violão. Quantas teriam sido mais sensíveis que ela, mais inteligentes, mais felizes.

Publicado no Cinform



Você pode gostar de
Falsa verdade.

3 comentários:

  1. Nossa, quanto arrependimento! Quase chorei de tristeza por esse amor que não pareceu ter chance de dar certo.

    ResponderExcluir
  2. Bárbara,

    Creio que isso é que é pagar a língua.

    ResponderExcluir
  3. Pelamordedeus, Aglacy! O que você faz fora dos compêndios de literatura contemporânea? Ou sou eu que ando desatualizado?

    Se bem que eu ando mesmo...

    ResponderExcluir

Diga, então...