sábado, 5 de maio de 2012

Chamego de lua cheia



Não me tente o peito com sua redondez   
Lua urbana
Não me atire um caco de sua brancura
De porcelana
Nem me altere o rascunho de morte
Que é pra semana

Por um dia lhe ter cantado o poeta
Faz-se tirana
Nega-me o fôlego até o último suspiro
Luz muquirana
Deixa-me largada a este amor
Doce cabana


Você pode gostar de ler "Lado B"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...