sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Meio dada


Gosto  de gente.
Em pouca e muita quantidade.

Gosto dos gritos anônimos,
das alegrias bobas em mesas na areia,
das lágrimas de colírio no canto da festa,
do esforço dos encontros forçados
e até das queixas que me alugam os cotovelos
e me põem palitos nos olhos.

Mas também não gosto de gente.
Então fecho a porta e ouço a minha música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...