domingo, 11 de agosto de 2013

Lustrare



Navego em terra seca
e, confesso,
perco o leme.

Por réu, aponto o horizonte,

que se faz ocre,
e cobre
a passagem de todos os dias.

Não sei se naufraga o futuro

em meu corpo sem lastro.

Ou se é o presente

que vai a Roma,
tomar banho de lustro.


Leia também À Mó.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...