sábado, 15 de junho de 2013

Um louco em minha cena



Deram-me, por professor, um louco. Louco do tipo que dá enormidade aos olhos, quando mira a classe, e baba quando anuncia o tema do espetáculo que os normais costumam chamar de aula.
Passava o pente no cabelo denunciando a luta ganha pelo vento durante sua caminhada de dois quarteirões até nossa sala, e ninguém seria capaz de adivinhar a condição em que ficaria aquela generosa cabeleira ao fim do primeiro ato.
Quando começava a função, punha-se quase além das pontas dos pés, parecendo querer alcançar mais do que sua poderosa palavra podia. Num desses movimentos, por vezes, fixava o olhar em algum ponto onde, certamente, via algo invejável. Seu olhar lembrava o do meu amigo Nivaldo no dia em que, ganhando um brinde do vento, deitou os olhos, pela primeira vez, na costura da bainha da saia de Neiva.
Cinquenta minutos depois, acabava a cena. Sem dúvida, pela necessidade de que outra plateia também recebesse o convite ao delírio. Mas só se recompunha, de fato, no intervalo maior, o das dez e vinte, quando conversava sobre amenidades com os seus pares.
Hoje penso que esse louco tem parte da responsabilidade por meu show. E eu nem tenho mais seus autógrafos, desenhados, mês a mês, na ponta de uma Bic escrita fina, ratificando notas de 8 a 10, para o boletim.

Leia também Gota d'água.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga, então...