sábado, 25 de agosto de 2012

Oração da mais íntima propriedade

Noite de fado em Lisboa

Que não me falte a solidão.

Que eu entenda
Que minha mãe é minha mãe,
Meu amigo é meu amigo,
Meu amante é meu amante.

Que uns e outros me dão presença,
Compartilham bens,
Mas uns são uns,
Outros são outros,
E eu sou quem tem que saber de mim.
Sou a dona do percurso,
Autora dos recomeços 
E de todo meio depois dos fins.

Que não me falte a solidão.

Que eu não me esconda daqui de dentro,
Que não lhe imponha que me ampare,
Que eu só use parapeitos
Para demorar meus olhos sobre paisagens.

Que não me falte a solidão.

Que ela me tome em dias quentes,
Que me acometa em noites altas,
Que me dê sentido e direção,
Que me ensine o que me basta.

Venha também De brincadeira.

4 comentários:

  1. Ave Maria cheia de graça....só uma oração para nos amparar na hora dessas verdades que lemos da sua boca cheia de sabedoria! Lindaaaaaa de viverrrrrr Aglacy!!! Bravo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Dior. É muito bom saber que algumas de minhas palavras chegam a algum lugar.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Também me sinto assim, Joelba, depois dessas palavras que se me precisavam ditas. Volto a elas, vez e outra, para que me lembrem...

      Excluir

Diga, então...