quinta-feira, 19 de julho de 2012

UM POEMA PARA NENA



Tudo pronto.
Acabei de remendar um lugarzinho
que ninguém, mesmo que tente,
vai poder encontrar.
Venha, que eu vou
e abro a porta
e armo a rede
e queimo a lenha
e douro as maçãs
e canto um canto.
Você entra
e se encolhe
e se aquece
e nana o corpo
e nina a alma
bem lá dentro.
Depois sai
e vai de volta
porque lá, em todo canto,
é o lugar em que você acontece.

Você pode ler também Pé esquerdo.

2 comentários:

  1. Eu vou e depois volto. Poder ir é para poucos; abra a porta, então, e me deixe entrar.

    ResponderExcluir

Diga, então...